TRATAMENTO DA DIABETES MELLITUS

Tomar conhecimento que o seu cão ou gato sofre de diabetes pode ser um choque ao início, mas não se preocupe porque esta doença pode ser controlada com sucesso e os animais diabéticos podem ter uma vida normal.
A Sugar e o Spike não podem alterar o facto de terem diabetes, mas podem fazer muita coisa para se manterem saudáveis. Aqui ficam algumas dicas para proteger a saúde dos animais diabéticos:
Alimentação saudável - respeite as indicações fornecidas pelo Médico Veterinário;
Exercício físico regular - ajude o seu cão ou gato a manter o peso ideal, estimulando-o a brincar e a passear;
Tratamento médico adequado - cumpra as recomendações do seu Médico Veterinário. Se achar que o seu animal não está bem leve-o ao Médico Veterinário - só assim poderá detetar problemas de saúde numa fase inicial.

Sinais que indicam que o seu animal poderá ter diabetes:

  • Aumento da frequência de micção
  • Consumo de água excessivo
  • Aumento do apetite
  • Perda de peso, apesar do apetite aumentado
  • Letargia

Fatores de risco que estão associados à diabetes:

  • Animal de meia idade ou geriátrico
  • Gato macho castrado
  • Cadela não esterilizada
  • Obesidade (em especial nos gatos)

PEQUENAS ALTERAÇÕES QUE PODEM FAZER UMA GRANDE DIFERENÇA

  • Peça ajuda aos seus familiares e amigos para não oferecerem guloseimas e outras recompensas ao seu cão ou gato;
  • Monitorize o apetite, a ingestão de água e o exercício físico realizado pelo seu animal de estimação. Alterações nestes parâmetros podem indicar que algo não está bem;
  • Os níveis de glucose no sangue e na urina podem também ser monitorizados em casa caso seja indicado pelo Médico Veterinário.

EVITAR COMPLICAÇÕES
A reação adversa mais frequente da terapêutica com insulina é a redução dos níveis de glucose no sangue, denominada hipoglicémia. A hipoglicémia pode ser fatal. Felizmente, conhecer as suas causas pode ajudá-lo a evitá-la:

  • Administração excessiva de insulina
  • Alteração na dieta
  • Exercício excessivo
  • Doença

OS SINAIS DE HIPOGLICÉMIA PODEM OCORRER SUBITAMENTE E PODEM INCLUIR:

  • Fraqueza
  • Depressão
  • Falta de coordenação
  • Letargia
  • Espasmos musculares
  • Convulsões
  • Coma

O QUE FAZER SE O SEU ANIMAL DE ESTIMAÇÃO TIVER UMA CRISE DE HIPOGLICÉMIA

SE O ANIMAL DE ESTIMAÇÃO ESTIVER CONSCIENTE:

  • Coloque uma pequena quantidade de uma fonte de glucose (por exemplo, açúcar em pó) nos seus dedos e friccione nas gengivas do cão ou gato (não tente forçar a alimentação, uma vez que existe o risco de se poder engasgar);
  • A glucose é rapidamente absorvida em 1 a 2 minutos, após este período o seu animal de estimação deve começar a responder;
  • Quando o animal estiver alerta e se encontrar sentado, alimente-o com uma pequena refeição;
  • Contacte o seu Médico Veterinário para verificar se é necessário marcar uma consulta.

SE O SEU ANIMAL DE ESTIMAÇÃO ESTIVER INCONSCIENTE OU A TER UMA CONVULSÃO: CONTACTE O SEU MÉDICO VETERINÁRIO IMEDIATAMENTE – ISTO É UMA EMERGÊNCIA!



Descobrir que o seu gato sofre de doença urinária, pode ser perturbante, especialmente porque os problemas urinários podem por vezes tornar-se emergência médicas ou mesmo recorrentes e desagradáveis para o seu gato. Enquanto as causas dos problemas urinários são complexas, pode estar seguro que existem uma série de medidas simples que podem ajudar o seu gato a sentir-se melhor. Nesta informação vamos ajudá-lo a perceber melhor a doença urinária do seu gato e explicar como alimentá-lo com uma dieta especificamente formulada para o maneiro dos problemas urinários não é apenas uma parte importante do tratamento da doença, mas também de prevenir futuros episódios.

DOENÇA COMUM EM GATOS

A Doença do Trato Urinário Inferior Felino (DTUIF), é uma doença comum em gatos. Os Gatos bebem pouca água e produzem uma urina muito concentrada, e como consequência, estão mais predispostos a desenvolver problemas urinários.

O QUE É A Doença do Trato Urinário Inferior Felino (DTUIF)?

A DTUIF pode ser causada por cristais ou pedras compostas por minerais que existem naturalmente na urina dos gatos. Estruvite e oxalato de cálcio são o tipo mais comum de cristais e pedras. Estes irritam o trato urinário pela sua presença e/ou bloquei total do sistema urinário.
Nos gatos, a DTUIF pode também ser causada pelo stress que pode induzir uma cistite idiopática felina (inflamação da bexiga). É importante lembrar que na maioria dos casos é difícil identificar a causa da DTUIF, e muitas vezes a causa é desconhecida.

AVISO

Gatos com uma obstrução urinária total sentem um desconforto cada vez maior. Uma obstrução é uma emergência e deverá levar o seu gato ao veterinário para obter Tratamento imediato.

Os cálculos urinários são normalmente detetados ou confirmados por raios-X ou por ultrassons. O seu veterinário irá provavelmente recomendar também algumas análises à Urina e ao sangue para despistar as causas subjacentes.

QUAIS OS SINAIS DE DTUIF

  • Dificuldade em urinar
  • "Chorar" enquanto urinam
  • Lamber excessivamente a zona genital
  • Urinar fora da liteira
  • Sangue na urina
  • Comportamento de medo, nervoso e agressivo (em alguns gatos)

FATORES DE RISCO QUE CONTRIBUEM PARA DTUIF

  • Baixo consumo de água
  • Ter excessivo peso ou ser obeso
  • Esterilização, especialmente em machos
  • Gatos de interior com pouco ou nenhum acesso ao exterior
  • Pouco exercício
  • Stress emocional ou ambiental
  • Stress relacionado com lares-multi gato ou alterações bruscas na rotina diária



Alguns cães formam cálculos urinários na sua bexiga (ou, ocasionalmente, noutros locais do sistema urinário). A razão pela qual isto acontece é complexa e não está completamente esclarecida. Os cálculos urinários são dolorosos podem provocar um bloqueio que impeça o seu cão de urinar normalmente. O controlo com uma dieta adequada faz parte do tratamento dos cálculos urinários e/ou ajuda a prevenir a sua ocorrência.

QUAIS OS SINAIS DOS CÁCULOS URINÀRIOS ?

A gravidade destes sinais varia entre os cães. Normalmente, a presença de cálculos na bexiga é detestada ou confirmada através de radiografia. É provável que o seu médico veterinário também recomende a realização de alguns exames de urina ou de sangue para investigar causas subjacentes.

Quando os cálculos se formam na bexiga provocam uma irritação na sua parede, o que pode ser doloroso e causar hemorragias .
Os sinais mais comuns são:

  • Sangue na urina
  • Aumento da frequência urinária
  • Aumento da urgência em urinar
  • Dor e/ou dificuldade em urinar

COMO SE FORMAM OS CÁLCULOS NA BEXIGA DO CÃO

Vários fatores podem contribuir para a formação de cálculos unriários.

  • Infeções
  • Alterações do ph urinário
  • Concentrações elevadas de alguns minerais na urina, como a cálcio, magnésio, fósforo e amónia
  • Presença (ou ausência) na urina de inibidores da formação de cálculos

COMO SE TRATAM OS CÁLCULOS

Na maioria dos casos de cálculos está envolvida uma infeção bacteriana, pelo que é necessário um tratamento antibiótico. No entanto, independentemente de estar presente ou não uma infeção, é necessário remover os cálculos. Dependendo das especificidades do seu cão, o médico veterinário poderá recomendar uma das seguintes opções.

  • - Uma intervenção cirurgia
  • - A alimentação com uma dieta especifica para ajudar a dissolver os cálculos

Conselhos para uso correcto de produtos antiparasitários.

A maioria dos donos de cães e gatos, têm de aplicar produtos antiparasitários regularmente.
Os veterinários podem explicar exactamente como o devem fazer.
Além da dosagem correcta existem outras regras que devem ser sempre seguidas:


Antes de administrar produtos antiparasitários à sua mascote, deve ler cuidadosamente o folheto informativo dos mesmos. Estes contém informações importantes sobre o seu uso correcto.

O momento, de administração do produto à sua mascote, deve ser escolhido com cuidado. Demore o tempo que foi necessário e concentre a sua atenção nisso. Não se distraia e mantenha as crianças afastadas.

Após aplicação de produtos, lave sempre as suas mãos, de modo a remover possíveis resíduos das substâncias aplicadas.

Evite o contacto directo com as substâncias, e tente não respirar partículas. No caso de contacto com os olhos e com a pele, lave abundantemente com água. Não tocar na área de aplicação enquanto esta se mantiver húmida/molhada.

Se a aplicação é externa, qualquer contacto físico entre o dono e a sua mascote deve ser evitado durante o tratamento. Isto assume particular importância no caso das crianças. Evite contactos intensos nas 1ªs 24 horas, e não permita que os animais durmam na sua cama.

Se entrar em contacto com o produto e a sua pele reagir, ou no caso de engolir ou inspirar é aconselhável contactar um médico. Não se esqueça de lhe levar (se possível) a embalagem completa (com o folheto informativo).